Cadernos

21 Agosto, 2011

O Tejo, as fragatas e o meu avô

Desde Vila Velha de Ródão, o Tejo corre em terreno português. À medida que se aproxima da foz, o seu trajecto faz-se em terreno cada vez mais plano. A Lezíria é uma planície mítica. Em Santarém, nas Portas do Sol, ainda se desenham margens altas. Depois, aqui e ali, aparecem pequenas ilhas de areia e no […]

Cadernos
25 Março, 2011

Eugénio e a arquitetura das palavras

Eugénio de Andrade é um dos grandes poetas portugueses do séc. XX e também dos mais populares. Essa popularidade devê-la-á muito à inclusão de poemas seus nos livros escolares, mesmo que, no final da vida, tivesse renegado alguns deles. Os temas da poesia de Eugénio são poucos – o êxtase e a exaltação do corpo […]

Cadernos
8 Dezembro, 2010

Sintra, o musgo e as sombras

Sintra conserva ruínas e outros vestígios com origem desde a Pré-história. A época de maior riqueza situa-se no final do séc. XVIII e durante todo o século seguinte. Aristocratas cultos, escritores e músicos, portugueses e estrangeiros, aqui se instalaram, seduzidos pelo ambiente mágico das paisagens, e construíram palácios, jardins, chalets, quintas, naquilo que hoje é […]

Cadernos
2 Outubro, 2010

Eça os fez, nós os juntámos

Eça fez uma crítica impiedosa à sociedade portuguesa do final do séc. XIX. Em Uma Campanha Alegre estão reunidos textos que, na sua maioria, mantêm toda a actualidade. Aí, passa à lupa (ou ao monóculo…) deputados, membros do Governo, padres, jornalistas…A decadência da vida portuguesa – pessoas e instituições, sem excepção, são magistralmente satirizados. Admirável o […]

Cadernos
20 Julho, 2010

David e os amores felizes

Chamo-lhe David, como diria Sophia ou Eugénio. São poetas de cabeceira, os arautos dos nossos sonhos, aqueles que mais nos enternecem, os nossos íntimos. Aqueles que melhor exprimiram os afectos, os que perceberam a imensidade de tantas coisas pequenas: um búzio do tamanho do mar, uma anémona como um entardecer ou a descoberta do corpo […]

Cadernos
15 Junho, 2010

D. João V: um deslumbramento português

Portugal foi uma espécie de Egipto e D. João V, o nosso faraó. Em vez de pirâmides deixou um maciço quadrilátero em pedra – o convento de Mafra. Porém, o rei não se limitou áquele faraónico monumento. Outras obras, de palácios a igrejas, estão espalhadas pelo país, atestando a fortuna do séc. XVIII. Olhamos o […]

Cadernos
18 Maio, 2010

Camões, os Portugueses e o Índico

Que influência tiveram Os Lusíadas na aventura de Alcácer-Quibir? Teria Luis Vaz incendiado a imaginação do Rei-adolescente com as suas ideias sobre a grandeza do destino português? Teria sido outra a trajectória portuguesa no final do Séc. XVI? Talvez, mas é pura especulação. Verdade, é que Camões, depois de inúmeras vicissitudes – pobreza, traições, abandono […]

Cadernos
26 Abril, 2010

Miguel Torga: o poeta visita o médico

Tive a oportunidade de conhecer pessoalmente Miguel Torga, após a transmissão de uma série televisiva sobre a sua obra (“Eu, Miguel Torga”), a que emprestei a voz. O encontro promovido pelo realizador João Roque, realizou-se em casa do Dr. António Arnaut, amigo de ambos, e para  a qual fui convidado a almoçar. Desse encontro conservo […]

Cadernos