All posts by: Fernando Moreno e Pedro Pinheiro

About Fernando Moreno e Pedro Pinheiro

3 Junho, 2012

Janelas da memória: a queda da monarquia

Não se trata de discutir a questão do regime: monarquia ou república. À distância de mais de um século, não faz qualquer sentido. A república está estabelecida e, salvo em raros nostálgicos, o regresso ao passado não desperta sombra de entusiasmo. E, no entanto, vale a pena analisar o processo que conduziu ao regicídio e […]

Cadernos
4 Março, 2012

Sophia e o espírito do mar

É um vulto feminino envergando uma túnica branca, os pés descalços na areia molhada. É o extenso areal da Meia-Praia. Antigamente, mesmo em setembro, as dunas estavam desertas e no ligeiro declive mais atrás havia, aqui e ali, alfarrobeiras que deixavam um odor intenso. Via-se a escola, o recorte da baía e a linha férrea […]

Cadernos
4 Dezembro, 2011

As Linhas de Torres e as encruzilhadas da História

Quando Luis XVI foi guilhotinado (1793), as monarquias europeias sentiram-se seriamente ameaçadas. Já não bastava a supressão da nobreza e dos direitos da Igreja – que viram ambas os seus bens confiscados. Agora, a revolução radicalizava-se. Ia entrar-se no período do Terror, protagonizado principalmente por Robespierre. Espanha e Inglaterra decidem agir e Portugal vai a reboque. […]

Cadernos
21 Agosto, 2011

O Tejo, as fragatas e o meu avô

Desde Vila Velha de Ródão, o Tejo corre em terreno português. À medida que se aproxima da foz, o seu trajecto faz-se em terreno cada vez mais plano. A Lezíria é uma planície mítica. Em Santarém, nas Portas do Sol, ainda se desenham margens altas. Depois, aqui e ali, aparecem pequenas ilhas de areia e no […]

Cadernos
25 Março, 2011

Eugénio e a arquitetura das palavras

Eugénio de Andrade é um dos grandes poetas portugueses do séc. XX e também dos mais populares. Essa popularidade devê-la-á muito à inclusão de poemas seus nos livros escolares, mesmo que, no final da vida, tivesse renegado alguns deles. Os temas da poesia de Eugénio são poucos – o êxtase e a exaltação do corpo […]

Cadernos
8 Dezembro, 2010

Sintra, o musgo e as sombras

Sintra conserva ruínas e outros vestígios com origem desde a Pré-história. A época de maior riqueza situa-se no final do séc. XVIII e durante todo o século seguinte. Aristocratas cultos, escritores e músicos, portugueses e estrangeiros, aqui se instalaram, seduzidos pelo ambiente mágico das paisagens, e construíram palácios, jardins, chalets, quintas, naquilo que hoje é […]

Cadernos
2 Outubro, 2010

Eça os fez, nós os juntámos

Eça fez uma crítica impiedosa à sociedade portuguesa do final do séc. XIX. Em Uma Campanha Alegre estão reunidos textos que, na sua maioria, mantêm toda a actualidade. Aí, passa à lupa (ou ao monóculo…) deputados, membros do Governo, padres, jornalistas…A decadência da vida portuguesa – pessoas e instituições, sem excepção, são magistralmente satirizados. Admirável o […]

Cadernos
20 Julho, 2010

David e os amores felizes

Chamo-lhe David, como diria Sophia ou Eugénio. São poetas de cabeceira, os arautos dos nossos sonhos, aqueles que mais nos enternecem, os nossos íntimos. Aqueles que melhor exprimiram os afectos, os que perceberam a imensidade de tantas coisas pequenas: um búzio do tamanho do mar, uma anémona como um entardecer ou a descoberta do corpo […]

Cadernos